Resenha: Work It

Por em 7 de agosto de 2020.

Bailarina Imperfeita na tradução livre, o mais novo filme Work It, da netflix, já esta ente nós e conquistando corações.

O longa é uma produção original do serviço de streaming, dirigido por Laura Terruso e produzido por Alicia Keys, Leslie Morgenstein e Elysa Koplovitz Dutton, essa história tem todos os elementos que precisava.

Quando a admissão de Quinn Ackerman (Sabrina Carpenter) na faculdade de seus sonhos depende da sua performance numa competição de dança, ela forma um grupo desarrumado de dançarinos para enfrentar a melhor equipe da escola, agora ela só precisa aprender a dançar.

Se você não quer spoiler, essa é a hora de se retirar, assistir o filme e voltar aqui mais tarde. Não diga que eu não avisei.

Vimos há mais de 30 anos Baby e Johnny roubarem nossos corações em seu ritmo quente no longa Dirty Dancing, dançamos junto em todos os filmes da franquia Step Up, em 2015 nos apaixonamos por Anna Kendrick e seu próprio grupo de desajustadas cantando e dançando em A Escolha Perfeita e nos entregamos a todo filme que se arrisca na mistura da dança, competição, música, amizade e tudo o que vem junto nesse pacote. Work It acertou todos os passos para um perfeito filme de dança.

O filme nos entrega uma combinação de tudo que buscamos nas produções do gênero em uma história empolgante e contagiante. Apesar de possuir uma fórmula pronta e um pouco clichê, o elenco carismático nos guia por um caminho de auto conhecimento e imprimi personalidade própria ao roteiro, além da química inegável entre os protagonistas.

Sabrina Carpenter dá vida a Quinn, uma garota desengonçada, que vive para estudar e ser aprovada em sua universidade dos sonhos, nada de interessante acontece ao seu redor. Quando Quinn mente para a hilária recrutadora (Michelle Buteau) da universidade, em busca de sua aprovação, a garota precisa criar da noite para o dia habilidades de dança.

Quinn pede ajuda de sua unica amiga Jasmine (Liza Koshy) na esperança de se desenvolver e as duas criam sua própria equipe de dança. Como coreógrafo elas procuram o famoso Jake (Jordan Fisher), um antigo jovem dançarino profissional que sumiu dos holofotes após sofrer uma lesão. Os dois protagonistas se tornam o grande destaque do filme logo em seu primeiro encontro, com uma química incrível em cena e na dança.

Além da ausência de talento quando se trata de dança, a protagonista ainda precisa enfrentar um rival que não aprova sua nova equipe, Keiynan Lonsdale traz vida ao personagem que tenta, numa vibe bem Regina George, roubar a cena e sabotar a equipe. Isso nos leva ao time de apoio que dá continuidade perfeita ao filme. Com cenas divertidas, engraças e, as vezes, até sem noção, a formação desse grupo de talentos desengonçados adiciona personalidade ao longa.

Mais do que um filme de dança, a produção fala sobre a transformação pessoal que Quinn vive ao sair de sua ‘caverna’ e encontrar sua verdadeira batida, vivendo além dos livros e da universidade dos sonhos. A tradução livre do filme é Bailarina Imperfeita o que, em minha opinião, combina bem com a mensagem transmitida pelo filme.

Tudo bem ser imperfeita, ninguém é bom em tudo, mas as vezes você precisa se soltar e ter determinação para se arriscar. Em uma mistura de comédia sem noção, romance e lição de moral, Work It tem uma ótima harmonização.

O longa é uma boa lição para quem pensa em desistir, para quem tem medo de se arriscar, quem não tem certeza do que sonha, aqueles que se sentem pressionados a serem quem não são, para quem não consegue encontrar sua batida por medo de se soltar. Uma fórmula antiga, já conhecida, sem grandes mudanças e que aquece nosso coração, te faz levantar da cadeira e arriscar alguns passos, rir das trapalhadas e questionar algumas coisas dentro de si.

Apesar do roteiro previsível, o filme é um charme e uma boa escolha para aqueles que, assim como eu, as vezes perdem a sua batida.

E você, o que achou do filme? 😉

Comentários

Desenvolvido por